Simulador desenvolvido pela Oniria disponibiliza cenários para cada tipo de fobia

O tratamento de fobias como o medo de altura e a ansiedade social envolve a exposição gradual à situação temida. Acontece que nem sempre é possível fazer isso na vida real. Psicólogos então começaram a usar a tecnologia em benefício desse tipo de tratamento. Conforme evolui, a Realidade Virtual (RV) traz um “senso de presença” cada vez maior, fazendo com que o paciente se sinta de fato vivenciando uma situação que lhe causa medo. A vantagem é que a RV permite que o terapeuta tenha controle sobre o ambiente virtual, expondo o paciente ao cenário temido de forma gradual e sem precisar sair – pelo menos nessa etapa do tratamento – da sala de consulta.

Isso é o que explica a professora Verônica Haydu, do Departamento de Psicologia Geral e Análise do Comportamento da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Ela é responsável por um Projeto de Pesquisa que utiliza o Oculus Rift e um simulador da empresa londrinense Oniria para o tratamento de diferentes fobias. O projeto tem a colaboração de estudantes de graduação e pós-graduação. O simulador, chamado Virtua.Therapy, disponibiliza cenários adaptados a cada tipo de fobia. Medo de altura, ansiedade social, claustrofobia e medo de falar em público são as fobias que hoje podem ser tratadas pelo simulador. “O simulador é útil porque não se pode expor o paciente a uma situação real”, comenta Marcos Cavalheiro de Oliveira, mestrando em Análise do Comportamento, que direciona os seus estudos ao tratamento do medo de altura.

ANSIEDADE
No caso da ansiedade social, o paciente é exposto ao cenário de uma praça de alimentação de um shopping. Por meio de um joystick, ele pode caminhar pelo cenário e executar tarefas que representam um desafio para quem sofre dessa fobia, como sacar dinheiro de um caixa eletrônico com uma fila de pessoas observando, negociar com o atendente ao comprar um lanche, procurar uma mesa vazia na praça de alimentação lotada ou conversar com um desconhecido. “A intenção do simulador é provocar ansiedade como se a pessoa estivesse no cenário real”, observa Bruna Canali, mestranda em Análise do Comportamento. O tratamento da ansiedade social utilizando RV é o tema de seus estudos.
O ambiente é controlado, e o terapeuta pode determinar variáveis como, por exemplo, a quantidade de pessoas na praça de alimentação. No cenário relacionado ao tratamento do medo de falar em público, o paciente precisa falar para uma plateia em uma sala de aula e em um auditório, e o número de pessoas presentes também pode ser definido pelo terapeuta. Até mesmo as ações da plateia podem ser determinadas: as pessoas podem estar ou não prestando atenção ao que o paciente fala, fazer uma pergunta ou entrar e sair do recinto. Em um ambiente controlado, o terapeuta pode ainda alterar a sequência dos acontecimentos, de forma a colocar as experiências do usuário na ordem que ele sente mais dificuldades.

No tratamento do medo de altura, por exemplo, o paciente é colocado no cenário de um prédio em construção. O acesso aos primeiros andares se dá por escada, e nos demais o paciente precisa usar o elevador. Nos últimos andares, o elevador é panorâmico. Alguns dos primeiros andares têm paredes faltando, mas o último andar não tem parede nenhuma e ainda possui um fosso no meio. Já para lidar com a claustrofobia, o paciente é colocado dentro de uma casa virtual e ele precisa enfrentar desafios como entrar em um elevador ou em uma pequena adega de vinhos. “O terapeuta pode conduzir o paciente de espaços maiores para menores”, afirma Natália Corrêa Silva, graduanda do 4º ano do curso de Psicologia.

Para quem passou a vida inteira enfrentando fobias que podem trazer graves implicações nos âmbitos social, profissional e de estudos, Verônica ressalta que os resultados com o tratamento usando Realidade Virtual são rápidos. No máximo, são realizadas 13 sessões com os participantes dos subprojetos e, por meio de testes, já é possível notar progressos significativos na vida dessas pessoas, dizem a professora e os estudantes. “Tudo o que pode ser representado graficamente é possível de se trabalhar”, acrescenta Verônica Haydu, sobre as fobias que podem ser tratadas usando RV.

Veja a matéria: http://www.folhadelondrina.com.br/mercado-digital/de-frente-para-o-medo-968142.html

5 Queixas de TREINAMENTOS que GAMES ou SIMULADORES podem resolver

Leia Também: Maneiras de Tornar a EDUCAÇÃO ATRATIVA Para Estudantes de Nível FUNDAMENTAL e MÉDIO

Descubra Como Usar GAMIFICAÇÃO NO TRABALHO