fbpx

Você sabe qual é e como medir o nível de engajamento da sua equipe?

A produtividade em alta traz boas receitas para a empresa e, para isso, uma equipe engajada vai além da motivação e implica em explorar ao máximo o potencial da sua força de trabalho. Mas, você sabe qual é o nível de engajamento que os seus funcionários apresentam?

Qualquer estratégia de negócios, por mais que tenha um bom planejamento, exigirá que os colaboradores vistam a camisa da empresa para gerar resultados satisfatórios.

Pesquisas demonstram que funcionários realmente engajados se esforçam mais que os outros e tem uma probabilidade 87% menor de desistir de uma tarefa, independente de sua complexidade.

O problema é que muitos gestores não sabem como medir esse nível de engajamento dos colaboradores, confundem os métodos utilizados para obter esse resultado e, com uma interpretação equivocada dos dados, acabam não eliminando as dificuldades. Ao contrário, podem contribuir para a geração de novos problemas.

1. Dificuldades enfrentadas com o baixo engajamento de funcionários

São comuns os sintomas apresentados quando o nível de motivação no trabalho é baixo. Equipamentos com alto registro de quebra e manutenção por falta de conhecimento e experiência na operação, acidentes de trabalho provocados por falta de um treinamento adequado, tempo muito elevado para se realizar as tarefas pelo baixo envolvimento nos processos operacionais, desperdício de recursos gerado pelo manuseio incorreto dos equipamentos e falta de vontade de contribuir são sinais claros de um baixo índice de engajamento, e podem ser utilizados como indicadores para medir o nível em que se encontra a equipe.

2. O nível de engajamento é muito mais que apenas uma pesquisa interna de satisfação

Muitos gestores confundem a pesquisa de satisfação aplicada aos funcionários como meio mais eficaz para determinar o nível de engajamento deles com a empresa. Funcionário satisfeito não é o mesmo que funcionário comprometido. É claro que o nível de satisfação contribui para aumentar o comprometimento, mas medir o nível de engajamento está atrelado a outros fatores.

Enquanto a pesquisa de satisfação mede o contentamento dos funcionários em relação à cultura organizacional, políticas de Recursos Humanos adotadas, a comunicação interna, o modelo de gestão utilizado, o reconhecimento pessoal e as relações internas, o engajamento pode ser medido pelo atingimento das metas de esforço, também conhecidos como “drivers”. São as metas que dependem da ação voluntária do colaborador, o esforço diário que faz ele cumprir seu papel na organização. Para um vendedor pode ser a quantidade de prospecções diárias, já para um analista a quantidade de requisitos analisados, por exemplo. o importante é identificar qual o esforço essencial de cada função na empresa e conseguir medir isso de forma sistemática.

3. A gamificação representa uma solução eficiente para o engajamento de funcionários

A gamificação é um processo que envolve a mecânica dos jogos eletrônicos.

Porém, o intuito aqui não é diversão, mas a condução do esforço profissional através dos mesmos princípios que faz uma pessoa querer continuar jogando depois de perder uma partida. A gamificação cria um envolvimento mais profundo entre o colaborador e os objetivos da organização, através de metáforas, imagens e interatividade, ela ajuda a equipe a criar senso de urgência e compreender melhor os processos organizacionais. A estratégia mantém o foco no reconhecimento pelo mérito, para o aperfeiçoamento sistemático da equipe, formação de novas lideranças e colaboração evitar falhas e gerar inovações.

Dessa forma, a gamificação pode representar a melhor solução para motivar e engajar os colaboradores em um curto período de tempo e melhorar os resultados apresentados para a empresa atingir mais rapidamente os seus objetivos.

Gamificação no trabalho. Por onde começar?