3 vantagens na utilização de simuladores em treinamentos de alta periculosidade

O treinamento pode assumir muitas formas: leituras e palestras são uma das melhores ferramentas para ajudar um aluno a internalizar informações. Mas há algumas coisas que simplesmente não podem ser ensinadas exclusivamente através de exercícios em sala de aula e de treinamentos na empresa. Na medicina e em outros setores de risco, como aviação, Forças Armadas, operação de guindastes e geração de energia nuclear, o uso de simuladores é a melhor opção para o treinamento de operadores. Nessas indústrias, a segurança depende da prevenção de erros humanos para que os sistemas funcionem sem falhar e não coloquem em risco a segurança dos operadores. Vejamos um pouco das vantagens no uso de simuladores para treinamentos de alto risco:

1. Foco na ação

Não faz sentido ler sobre a eliminação de uma bomba ou aprender os procedimentos de operação de um guindaste numa plataforma de petróleo em um quadro. Ao mesmo tempo, é ainda menos desejável que um operador pratique essas atividades pela primeira vez no mundo real. O treinamento com a utilização de simuladores oferece um compromisso pragmático.

2. Segurança

Ao entregar uma experiência real, os operadores podem se submeter a práticas exigidas pela profissão, sem risco para si ou para outros. Na simulação, um indivíduo entra em um ambiente gerado por computador de um mundo tridimensional, usando controles virtuais e outros sensores para interagir com este ambiente virtual. Neste ambiente controlado a pessoa pode vivenciar situações de risco, falhas do equipamento e procedimentos de emergência, podendo errar para aprender.

3. Economia para a empresa

Como um veículo para a educação, o treinamento com o uso de simuladores possui muitas vantagens sobre os métodos tradicionais. Ele permite expor os operadores a situações intensas fisicamente sem o risco de prejuízo real, e permite que um estudante possa reproduzir um cenário até que a lição tenha sido absorvida. O uso de simuladores também representa uma economia para a empresa, permitindo que vários alunos possam participar de uma simulação a partir de diferentes locais ao mesmo tempo.

Exemplos de aplicações de simuladores em treinamentos de alta periculosidade

Muitos exemplos já surgiram em vários setores e indústrias para que o treinamento dos operadores seja feito em um ambiente livre de riscos. Entre eles podemos citar:

  • Pesquisadores do Centro Biológico Edgewood Chemical do exército dos EUA estão usando simuladores para treinar os soldados em um equipamento de detecção chamado Husky Detection System, ou HMDS. Esta ferramenta detecta explosivos subterrâneos e minas antitanque.
  • No Brasil e no Mundo um Simulador Virtual de Colhedora de Cana é utilizado para treinar operadores na colheita, aumentando a produtividade no campo reduzindo cerca de 1 tonelada por talhão e evitando falhas na operação. Ver exemplo abaixo:

  • Militares britânicos usam simuladores como uma ferramenta de recrutamento, testando potenciais recrutas em cenários de batalha virtuais onde eles dirigem tanques e participam de exercícios que simulam conflitos corpo a corpo.
  • Além dos usos militares, a NASA usa simuladores na preparação de astronautas em passeios espaciais. O treinamento oferece aos astronautas a chance de pilotar uma nave espacial, além de oferecer lições sobre como controlar um braço robótico em uma estação espacial e como manipular e descartar cargas num ambiente de gravidade zero.

Se a sua empresa deseja treinar os funcionários em um ambiente complexo, considere a utilização dos simuladores virtuais, uma estratégia importante para promover o desenvolvimento da sua empresa. Entre em contato com a Oniria!

Assista ao vídeo do Simulador de Guindaste Offshore