4 passos para planejar o treinamento dos operadores da sua empresa

Empresas de grande porte precisam investir na atualização e na capacitação de seus funcionários. Mas será que esse dinheiro é bem aplicado? A resposta depende de muitos fatores. O que se sabe é que quanto mais especializado o setor, maior é o nível de exigência e de preparo da equipe.

Companhias que utilizam equipamentos pesados ou bem duráveis com alto valor agregado, por exemplo, precisam treinar seus operadores constantemente se quiserem garantir os níveis de gestão e eficiência almejados.

Acontece que muitos treinamentos não atingem os resultados esperados, mesmo aqueles cujos os orçamentos são elevados. Alguns equívocos podem estar relacionados à cultura corporativa da empresa, outros são mais fáceis de solucionar.

3 erros comuns no treinamento de equipes

Compreender o treinamento apenas como processo de transmissão de informações e não levar em conta a importância de focar as ações e comportamento do operador.

  1. Oferecer o maior volume possível de informações, pois o operador deve conhecer tudo sobre a atividade. Erro que desvia o foco do treinamento.
  2. Considerar conhecimento como sinônimo de informação. Esse erro torna o treinamento falho.
  3. Limitar a avaliação final do treinamento do operador à aplicação de questionários, testes e avaliações teóricas.

Além de evitar os erros citados, a empresa deve ter especial atenção no planejamento da capacitação como forma de potencializar os resultados do treinamento.

É importante ressaltar o fato de que o operador trabalha com equipamentos de alto custo de aquisição e de manutenção. Portanto, falhas na operação podem implicar em suspensão das atividades, gerando prejuízos financeiros e comprometendo o cronograma de trabalho.

Etapas que otimizam o treinamento

Cabe ao responsável pelo treinamento, esteja ele ligado à área operacional ou ao setor de Recursos Humanos, estabelecer uma estratégia eficaz para organizar e capacitar os colaboradores. A seguir, apresentamos quatro elementos essenciais que vão garantir resultados positivos.

1. Defina o objetivo do treinamento

Essa dica parece simples, mas muitas empresas iniciam o processo de qualificação de seus profissionais sem um objetivo definido de maneira satisfatória. As razões pelas quais a empresa pretende treinar o operador precisam estar estabelecidas de forma clara e objetiva.

O estabelecimento de metas vai influenciar diretamente na concepção do treinamento.

Os índices de produtividade precisam aumentar? Novos processos foram adotados? A empresa conta com equipamentos novos e/ou mais modernos? A capacitação pretende atender exigências de caráter legal ou é fruto de uma solicitação de um cliente?

Esses são alguns exemplos de perguntas a serem respondidas. Cada uma das situações apresentadas vão exigir uma abordagem diferente durante o treinamento.

Com a identificação do objetivo, é possível estabelecer quais atividades serão desenvolvidas e a seleção dos recursos indispensáveis à capacitação (instalações, material didático e simuladores virtuais). O estabelecimento de metas e as formas de avaliação também estão atrelados a esse item.

2. Analise a atividade desempenhada pelo operador

Nesta etapa, é importante listar todos os procedimentos adotados antes, durante e após a operação do equipamento. Devem ser considerados o uso de equipamento de proteção individual (EPI), o ato de ligar e desligar a máquina, a manutenção preventiva do equipamento, entre outros.

Quanto maior o nível de detalhamento das atividades, maiores as chances de detectar antecipadamente falhas e imprecisões no treinamento. Essa é a etapa na qual se identifica quais procedimentos são executados com falha e como alterar o comportamento do operador.

Novamente o foco deve estar na ação e não em dados pura e simplesmente.

3. Mantenha o foco na parte prática

Cada ação apresentada no treinamento exige do operador a execução de um exercício prático. As atividades devem espelhar as dificuldades e os problemas enfrentados no dia a dia do trabalhador. É importante repetir situações de erro ou de mau funcionamento da máquina, falhas humanas, e situações de emergência.

O mais recomendado, neste caso, é o uso de simuladores virtuais. Tais equipamentos permitem a criação de cenários variados e com diversos graus de dificuldade. Assim, é possível analisar as reações do operador em momentos críticos. Para a empresa, a utilização do simulador apresenta a vantagem de não expor o seu maquinário a situações extremas e ainda assim ter a possibilidade de avaliar o desempenho de seu funcionário.

4. Avaliar é indispensável

Toda e qualquer atividade de treinamento pode se tornar inócua caso não haja avaliação dos participantes. Mensurar os resultados individuais significa comprovar a eficácia do processo. Questionários, testes ou provas teóricas dão conta apenas de uma pequena parte do processo. Mais uma vez, o simulador desempenha papel de destaque.

O equipamento permite analisar comportamento do operador nas diversas etapas de seu trabalho e ainda emite relatórios mais eficazes do que um exame teórico.

Conheça o Simulador Virtual SGO: Baixe o Ebook Gratuito

Leia também: Como ensinar um colaborador a SUPERAR DESAFIOS

3 MOTIVOS para usar a realidade virtual em treinamentos

3 motivos para usar a realidade virtual em treinamentos

Conheça o Simulador de Guindaste da Petrobras